Skip to content

O Amor e Outros Estranhos Rumores

28/11/2010

A peça do TUCA era uma adaptação de três contos do Murilo Rubião, autor do realismo fantástico. Os contos eram Os três nomes de Godofredo, Memórias do Contabilista Pedro Inácio e Bárbara. Dos três, o único que eu havia lido era Barbara.

A peça começava com um estudioso de sua herança genética, que via todo o trabalho ser jogado no lixro ao descobrir que não era o filho de sua mãe, e sim havia sido dado à ela na maternidade. Depois, um homem em um restaurante, entre diversas perdas de memória, vai descobrindo sobre três esposas suas e o destino dele ao lado destas, o que acompanha sua mudança de nomes. E, por último, um homem tenta satisfazer todos os pedidos de sua esposa, Barbara, enquanto esta engorda e dá a luz a um bebê raquítico e por ela indesejado. Ao fim da peça, os personagens se unem na mesma estação de trem, em uma menção a um outro conto de Murilo Rubião, A Cidade.

As estratégias usadas para contornar os problemas do fantástico nessas histórias e adaptarem estes para o teatro foram muito interessantes. Eu gostei especialmente da maneira com que Os três Nomes de Godofredo foi montada. Me surpreendeu, por outro lado, o viés cômico que a montagem de Barbara ganhou (pelo menos, na noite em que eu assisti, a platéia riu muito com esse momento), já que quando eu li o conto, eu o achei bastante angustiante.

Anúncios

1o Ato

28/11/2010

A peça que assisti nesse Sábado era do grupo CO.MU.CO e chama-se 1o Ato. Ela aconteceu no Teatro Laboratório, da ECA. Era uma peça diferente. Primeiro, entrávamos no palco, e éramos convidados a observar o cenário e circular por ele. Uma atriz começou a narrar uma lenda asteca sobre o surgimento da humanidade. Cada um dos atores lia trechos de livros, exibia filmes, e depois, um a um, cada um deles narrava a história sobre um garoto, o Menino Niguém, e sua tentativa de retornar à Ítaca para encontrar Penélope.

O texto, que era original do grupo, era muito interessante e trazia momentos bastante ricos. Por ser a primeira peça encenada pelo grupo, ela trazia algumas dificuldades, mas de modo geral foi uma experiência muito rica. O objetivo principal era tentar mostrar qual foi o processo pelo qual os atores passaram, durante dois anos de estudos, para chegar onde estavam agora. Havia discussões sobre a linguagem, filosofia e mitologia.

Aumentar as visitações?

23/11/2010

Pode parecer pouco ambicioso de minha parte, mas na vida, assim como na internet, eu tenho um pouco de desconfiança em relação à técnicas que pretendem aumentar a visitação de blog, a fama de uma pessoa, etc, etc, etc.

Fazer seu trabalho, qualquer que ele seja, verdadeiramente bem feito e com prazer, eu acredito que é um caminho bem mais plausível para o sucesso do que qualquer outro.

E agora que eu já parei de parecer um livro de auto-ajuda, na internet, o grande segredo para conseguir aumentar o alcance de um site é a ajuda de redes sociais. Sincronizar o Facebook com o seu blog, por exemplo, já é algo que faz uma diferença considerável.

Outra estratégia que dá resultados interessantes é a de fazer parcerias com outros blogs que tratam de assuntos parecidos ou que possam se conectar com o de sua publicação, e deixar um link seu no endereço deles e vice-versa. O outro blog não precisa necessariamente ter um acesso muito maior que o seu, mas é importante que ele alcance um público diferente do seu, para que a parceria possa ser benéfica para ambos.

Essas técnicas trazem uma melhora para o blog que não é apenas quantitativa, mas também qualitativa, pois atraem leitores que estejam interessados no assunto e que queiram interagir com o conteúdo que está sendo divulgado. Isso é bom para todos.

É por isso que o nosso blog já é sincronizado com o Facebook das duas colaboradoras, e nós estamos promovendo parcerias com blogs similares.

Outra coisa que aumenta os acessos de um blog é o número de atualizações. Um blog pouco atualizado dificilmente terá muitos acessos, já que a internet é um local dinâmico e os leitores estão sempre buscando informações novas.

Roberto Mícoli, com todas as suas cores e costuras

27/10/2010

Um pouquinho de jabá não faz mal!

Pra quem não sabe, Roberto Mícoli vai inaugurar nesta quinta feira, dia 28 de Outubro, uma exposição individual na AC Galeria de Arte. Ele é um artista de Campinas com um trabalho sensacional, inspirado um pouco na arte indígena, numa espécie de antropologia, com costuras e recortes em cima da tela. Ele já trabalha com pinturas faz quase 30 anos, e é muito interessante ver como essas influências dele foram se sintetizando no que o trabalho do artista é hoje em dia.

Eu e o Thomás Loureiro gravamos na semana passada um doc com o Roberto, dele falando um pouco sobre como essa relação com a arte começou, sobre as influências (do mundo da arte e do mundo em geral) e sobre o futuro. É um vídeo bem curtinho, mas vale a visita, porque ele é um homem realmente interessante. Acho que eu aprendi mais gravando essa entrevista com ele do que lendo o livro do artista.

Mááás, pra quem prefere a opção livro, no dia 28 ele vai estar autografando cópias da última publicação sobre ele, pela editora BEI. E o livro é lindo, viu.

Enfim, o mini-doc sobre o artista está disponível no YouTube aqui:

Além disso, no site da galeria onde ele vai expor tem mais informações sobre o Roberto, tipo um currículo e fotos de algumas obras.

A AC Galeria de Arte fica na Rua José Maria Lisboa, nos Jardins, número 1008.
A abertura vai ser na Quinta dia 28 à noite, depois das 19 horas, mas a expo continua por lá até o dia 25 de Novembro, durante a semana das 9h às 19h e nos Sábados das 10h às 14h.

Direto da Antuérpia

21/10/2010

Talvez eu não devesse fazer dois posts seguidos sobre fotografia, mas não resisti. A Charlotte Boeyden, da Bélgica, é uma fotógrafa fantástica. Além do site, ela tem um flickr e um blog.

Essa é uma foto de uma série que ela fez pra uma revista que, inclusive, também é incrível, que é a Vice, uma revista grátis de NY.

Essa foto eu quis postar não por ser uma das minhas favoritas dela, mas porque eu AMO o nariz dessa modelo.

No site da Charlotte, dentro da página DREAMS, estão algumas das imagens dela que eu mais gosto, com um clima bem onírico mesmo. Mas o que mais vale a visita, apesar de ser em outra língua, é o blog da artista, que além de fotos pessoais tem posts de fotógrafos convidados, tudo muito interessante.

Enfim, me apaixonei pelo trabalho dela assim que o conheci. Espero que vocês achem interessante também. Eu gosto de perceber como a arte une pessoas tão distantes física e culturalmente.

Fotografia para sentir

18/10/2010

Um Tumblr que vale a pena acompanhar pelas fotos, que não são necessariamente extraordinárias em questão de técnica, mas bastante expressivas e verdadeiras, é o Fondue, da Tatjana Radičević e da Nataša Adžić.

Tem algo nas fotos delas que é tão forte, que eu quase não consigo explicar. Elas valem por mil palavras.

Sem contar que essa imagem dos restos dos corpos das vacas é fantástica. Eu, pelo menos, acho que ela diz muito.

A cultura do remix

20/09/2010

Mais um post sobre a internet.

O texto traz uma exemplificação da maior forma de produção cultural deste século, na internet. O conteúdo é produzido pelos usuários. O único impecilho é financeiro, já que não ~há muito prática sobre esse modelo de negócio aberto.

Durante o século 20, o que segurou a economia da cultura foi a propriedade intelectual. O terreno livre da internet e seus vários produtores de informação ameaça isso.

O que resulta disso: a autorização se dissemina. Para tudo que precisar fazer, é necessário haver uma autorização do dono dos direitos. Ou seja, a cultura do remix e da produção cultural individualizada é uma eterna batalha entre os que são a favor da liberdade de informação da internet e os protetores da propriedade intelectual privada. Uma batalha que ainda não terminou.

Um bom exemplo deste embate é os contornos do site FMA, já mencionado num post anterior, que usa exatamente essa técnica das autorizações dos artistas para deixar as músicas livres para a internet.

%d blogueiros gostam disto: