Skip to content

Pós-postado: Internet é cultura livre, poxa vida! 2 – você acha que a internet será paga no futuro?

13/09/2010

Oi, pessoal. Eu sei que o último post já estava fechado, mas eu queria lançar uma discussão que uma vez se deu de forma fervorosa em uma das minhas aulas de Teoria da Comunicação III e eu achei que se simplesmente editasse o mesmo post ninguém veria.

Bom, eu disse que não somos capazes de imaginar onde isso – a internet – chegará no futuro, mas tem gente que imagina sim. Meu professor acredita e afirmou que, num futuro não muito distante, o conteúdo mais importante da internet, aquilo que a maior parte das pessoas acessa ou faz, será pago. Isso porque ele assegura que as grandes corporações da comunicação – os grandes jornais, emissoras de televisão, etc – apoderar-se-ão desse espaço, uma vez que não conseguem competir à altura. Ele também disse que tudo seria de certa forma controlado por essas corporações e que a internet deixaria de ser essa terra-de-ninguém-sem-lei que temos hoje. Eu lembro das palavras dele: Vocês sentirão saudades da internet como ela é hoje.

A discussão extendeu-se pela aula inteira, até o final, porque nenhum de nós, alunos, concordava que isso fosse acontecer. O pior de tudo é que o professor, tentando tirar o dele da reta, alegou que isso, apesar de ele crer na previsão, não era uma ideia particularmente dele, pois muitos estudiosos e teóricos da web 2.0 a sustentavam. Todos defensores e entusiastas da cultura livre em todos os sentidos – inclusive financeiro – nós dizíamos: Você acha que o google vai deixar, professor?

Quando o professor deixou o recinto, o sentimento de inconformação permaneceu. Chegamos à conclusão mais confortável a qual podíamos: a geração do professor acreditava que isso aconteceria, mas a nossa não ia deixar.

O que vocês acham disso tudo? Sejam sinceros e sensatos.

Anúncios
3 Comentários leave one →
  1. Marina permalink*
    13/09/2010 12:20 PM

    Eu realmente acreditava que a internet nunca seria toda paga (um pouco paga ela já é, porque nós pagamos pra ter acesso né).
    Eu sempre acreditei que o futuro da internet era o conteúdo livre, feito por todos e não por um só emissor. Que o melhor jeito de lucrar na internet era tornar tudo grátis.

    Mas depois dessa aula do Rubens, eu comecei a reparar em algumas mudanças que vieram acontecendo nesses últimos anos. Há um tempinho, qualquer coisa que estivesse disponível na internet em um site pago, estaria disponível gratuitamente também. Eu tentei, no semestre passado, encontrar um curta-metagrem, Auf der Stehen, e para minha suspresa ele só existia para download pela loja do iTunes, por 99 centavos. Tudo bem, o preço é barato, mas eu queria de graça. Como não é um curta famoso, não havia nem sinal dele no torrent. Quem ia ser seeder dele, não é mesmo?
    Enfim, nesses últimos tempos, minha fé andou se abalando um pouco. Mas meu irmão garante que a internet só funciona se for toda aberta: conteúdo grátis, código aberto, etc etc.
    Veremos

  2. Álvaro Luiz Gomes permalink
    13/09/2010 1:59 PM

    Olá
    Na minha opinião dizer que a internet do futuro será paga pode ser muito radical. Acredito que há espaço para crescimento de ambas as formas paga e não-paga. O que pode talvez acontecer é que o conteúdo pago talvez cresça mais rápido e/ou com maior qualidade.
    Essa coisa de futuro também é um pouco relativo… A que futuro estamso nos referindo? É um futuro que nos alcançaria? Minha opinião está baseada em um horizonte de 10 anos. Mais que isso poderíamos até questionar o futuro da forma de internet que conhecemos hoje e o aparecimento de novas formas.

  3. Má Carrilho permalink
    18/09/2010 3:19 PM

    Achei muito interessante o final do seu escrito: “a geração do professor acreditava que isso aconteceria, mas a nossa não ia deixar.”
    É claro que uma produção de qualidade precisa ser paga por alguém para continuar a existir, como ocorreu com o site de Garance, mas há também um outro tipo de pagamento que pode ser feito por esse conteúdo que o ultrapassa e que essa “geração nova” está disposta a bancar. Eu chamaria do valor pela troca, de conhecer um pouco mais, querer ir além dos pontos de vista que estão ao alcance, e que isso só é possível em “lugares” onde cabe a singularidade ou uma multiplicidade de vozes ativas como na internet.
    Enquanto houver quem escolha oferecer esse tipo de conteúdo por esse ‘preço’ a internet continuará a ser um lugar de trocas mais livre, com figuras de referência mais disseminadas.
    E quer saber de uma coisa? Ainda tem muita gente querendo brigar por isso. Sorte nossa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: