Skip to content

Thelma Nakae

03/12/2010

Thelma Nakae tem 20 anos de idade, é estudante de moda, desenhista e fótografa nas horas vagas.
Ela ainda não possui um site com portfolio, mas é possível entrar em contato com ela por email.
Vou postar algumas imagens dela aqui mesmo, para que vocês conheçam um pouco do trabalho.

Acredito que as fotos que ela tira sejam uma boa tradução de como ela vê o mundo: através dos detalhes.

O Mestre de Obras

30/11/2010

Quero indicar essa peça. Quero muito.

A peça é sobre a formação de uma equipe para a construção da casa perfeita. Falta o arquiteto. Na contratação, é solicitado que o arquiteto conte uma história, assim como cada membro da excêntrica equipe conta a sua a ele. Metáforas dentro de metáforas, a peça, sempre com bom-humor e às vezes com a tensão necessária, abre espaço para sua interpretação e para uma reflexão geral sobre a vida, sobre o mundo, sobre as relações, sobre o que você quiser, pois cabe tudo.

O texto é muito bom (mesmo), de um jovem dramaturgo – Julio Santi. E a encenação é impecável. O desenho de luz, cenários, figurinos, desculpa, mas são impecáveis.

Parabéns pra toda a equipe, que é toda jovem, mas não tem nada de amadora.

E mais um ponto positivo, que é importante salientar, ainda mais nesse blog (que se preocupa tanto com o rumo da internet em todas as esferas da vida), é que eles têm um BELO site, onde inclusive é possível comprar os ingressos (sem a merda da taxa de conveniência, pois não estão vinculados àqueles sites chatos de ingressos):

O mestre de obras

Eles estão no Teatro Augusta, às quartas e quintas – 21h

 

É isso.

 

Having blog experience

30/11/2010

Nesses três meses de blog…

Eu já tinha um outro blog antes, mas era diferente, porque eu nunca divulguei para ninguém. Era só algum lugar onde eu poderia escrever e ter a estranha sensação de que alguém leria ou não, se encontrasse por acaso ou não.

É diferente quando você quer que as pessoas realmente leiam, interessem-se, entendam e participem da discussão. Você acaba tendo que aprender sobre o que você gosta de falar, sobre como as pessoas gostam de receber a informação e de como você pode usar esse dispositivo de possibilidades infinitas, que é a internet. A lógica virtual, de interação, de informação e até a confiança que você tem que criar para que as pessoas dêem crédito ao que você escreve são coisas que eu aprendi com esse blog. Não sei se estamos tendo sucesso, se o assunto que escolhemos é interessante, só sei que a oportunidade de escrever em um lugar que é livre para que qualquer um leia e comente, gratuitamente, é incrível. E eu penso, às vezes, que as pessoas que têm um blog nem sempre percebem o que elas têm na mão.

Continuaremos com o blog, apesar da matéria de Comunicação e Hipermídia ter terminado, porque, como a Marina disse no post abaixo, o importante é comunicar-se.

Não importa o que será disso no futuro.

Por que fazer um blog?

29/11/2010

Tentar se comunicar, de qualquer maneira, por qualquer razão, por qualquer objetivo, é sempre válido pra mim. Se comunicar é o que nos resta. Sem isso, não somos. Então, fazer um blog, nem sempre é completamente útil. Nem sempre nossa opinião é levada em consideração. Mas é a tentativa que realmente importa. Perder a esperança disso significa muito mais do que simplesmente não ter nada a dizer. Significa conformar-se em ser apenas um receptor. Todo o potencial da internet está nessa interatividade – por menor que seja.

Falar por falar. Mas tentar.

Cuidado, não entrem

29/11/2010

neste blog

Ele fere a honra e a reputação dos blogs de comunicação.

Seu conteúdo dá ânsia de vômito de Billy.

Pela Última Vez

29/11/2010

Photoboard para um exercício de Roteiro II.

Espectro Aberto

28/11/2010

Antes de mais nada… o que é o espectro?

Basicamente, é a faixa pela qual os sinais de comunicação são enviados. Ou seja, a televisão, a internet wireless, o rádio, suas informações são todas enviadas pelas frequências do espectro.


A partir disso, o conceito de espectro aberto pode ser compreendido como a liberdade na utilização de suas frequências. Qualquer um poderia enviar dados por essa faixa, não sendo necessário uma permissão para que isso ocorra. Mais isso não ocorre. A FCC regulariza a utilização das diversas frequências, que podem ser exclusivas ou coletivas.

Por que funcionaria uma faixa livre de espectro, para utilização? Bom, porque, pra começo de conversa, a maioria das tecnologias necessárias para que isso se implemente já estão por aí. E, além disso, já existem vários exemplos de maneiras de se manter a privacidade em um contexto de liberdade no uso das frequências. Inclusive, usá-las livremente, em essência, mantém mais a privacidade do que ter que manter o seu uso controlado.

Então, o que falta? Bom, o surgimento de um espectro aberto depende de políticas públicas. Nem sempre os interesses governamentais, principalmente no caso do Brasil, vão de encontro com os resultados da implementação disso.

%d blogueiros gostam disto: